O dono do morro - Misha Glenny

23:17


Subiu o morro como uma pessoa honesta e saiu de lá como integrante do tráfico na Rocinha. Essa é a história de Antônio Bonfim Lopes, mais conhecido como Nem, o homem que em poucos anos depois dessa fatídica subida tornou-se o traficante mais procurado do Rio de Janeiro. Uma história real que envolve amor pela família, sacrifícios, pobreza, corrupção e muitos outros elementos que assolam os cantos do Brasil.

Quando um pai de família, morador de um bairro pobre, desempregado, se vê diante da filha gravemente doente e necessitada de tratamento, e da dívida de 20 mil reais que as circunstâncias da doença trouxeram, quais são suas opções? Para Antônio Bonfim, depois de ponderada a escassez de alternativas, a saída foi pedir um empréstimo para o comandante do tráfico da Rocinha, lugar onde ele, a mulher e a filha dividiam um barraco úmido e malcheiroso. Lulu, o dono do morro na época, não pestanejou em emprestar o dinheiro. Em troca Antônio ofereceu seus serviços no grandioso esquema de venda de drogas.

Misha Glenny, o autor desse livro, fez um trabalho jornalístico minucioso para contar essa história. Desde as dez visitas feitas a Nem no presídio de Campo Grande, onde está preso desde 2011, até as entrevistas com moradores da favela, a família de Nem, os inimigos, e os policiais envolvidos, a narrativa foi construída com base em depoimentos vindos todos os ângulos. Além do desafio de um estrangeiro – Misha é inglês – de aprender o idioma, a história e a política do Brasil, para contextualizar os acontecimentos.

O primeiro capítulo, sobre a prisão de Nem, um acontecimento amplamente disputado entre todas as esferas da polícia do Rio de Janeiro, introduz o livro. Os capítulos seguintes mesclam um pouco do passado dele, como sua família chegou à Rocinha, quem foi seu pai, sua mãe, e a consolidação do crime organizado no Rio de Janeiro desde meados dos anos 60, 70. Grandes chefes do tráfico são citados e essa linha do tempo é importante para entender como funcionam os cartéis e de que maneira Nem acabou como um dos escolhidos para chefiar os negócios na Rocinha. 

Em todas as etapas da narrativa o autor vai nos deixando a par de elementos que foram – e são – fundamentais para o funcionamento das organizações criminosas, desde a distribuição dos migrantes que se amontoaram e construíram as favelas, mais especificamente a Rocinha, passando pela localização geográfica que permite a clientela fiel, até a corrupção cancerígena da segurança pública. 

Diante de todos os horrores cometidos em volta do tráfico de drogas, o jornalista, porém, tem o cuidado de mostrar o lado, digamos, real de Nem, e como as circunstâncias o fizeram chegar onde ele chegou. Em O Dono do Morro nos é apresentado um homem sempre preocupado com o bem estar da família e da comunidade onde morava, que se diz contra a violência e afirma que seu interesse sempre foi manter o objetivo principal de um cartel de drogas: vender e lucrar. 

Longe de inocentá-lo, Misha é sensível na manipulação das informações que obtém e deixa claro o que é certeza e o que dúvida na checagem e cruzamento dos depoimentos ouvidos. Ele ainda critica muitas vezes a mídia local e o sensacionalismo visível da imprensa brasileira. A narrativa não se caracteriza exatamente como uma reportagem, mas como um relato de um estrangeiro que chegou ao Brasil e se viu instigado a descobrir como o crime funciona por aqui. Em suas investigações ele descobre um país é deficiente em todos os lados, onde a pobreza, o descaso, a desigualdade social, tudo colabora para o aumento da violência e da destruição de seres humanos que só querem viver com o mínimo de dignidade. Ao ouvir depoimentos de moradores que diziam se sentir mais seguros com o comando de Nem no morro do que com a polícia e suas pacificações, é horripilante imaginar como o conceito de segurança se adapta aos meios. Na falta de opções – como nos primórdios da vida no tráfico do outrora Antônio Bonfim Lopes e de tantos outros jovens que veem no crime a única de oportunidade de renda – não resta outra coisa a não ser se render ao sistema. 



Sobre o autor

Misha Glenny nasceu em 1958. Jornalista e historiador britânico, trabalhou como corresponde do jornal The Guardian e da emissora BBC na Europa Central. Publicou McMáfia e Mercado Sombrio.



Título: O Dono do Morro
Autor: Misha Glenny
Editora: Companhia das Letras
Ano: 2016
Páginas: 360
Avaliação do Skoob: 4.5
Avaliação do Blog: 4.0

Você pode gostar também

0 comentários

Onde Comprar

Facebook